Caso II – Implantes astrais “de outros mundos”

        Outro caso interessante que nós atendemos foi um senhor de aproximadamente uns 40 anos com um nivel intelectual bom que veio até nós por causa de dores na barriga. Ele fazia parte de um grupo controverso que se reúne no Mato Grosso e havia cortado os laços com esse grupo. Logo na primeira sessão o que chamou a atenção era um pequeno aparato astral na altura da nuca, mas o mais interessante era que não era nada daqui. Logo de cara os guias astrais orientaram que o aparato não podia ser removido. O pior é que o moço sabia do raio do aparelho e nem queria que ele fosse removido. Segundo ele era um aparelho que modulava a frequencia vibratória do corpos energéticos, só que o raio do aparelho tava desregulado. Como eu fui descobrir depois existe uma grande diferença entre aparelhos astrais terrenos e não terrenos. Geralmente a tecnologia de fora machuca mais. Bem, a gente não podia tirar o aparelho então o máximo que conseguimos foi diminuir um pouco a adesão dele. No final a gente tinha desvirtuado da queixa do cliente e só pensavamos no raio do aparelho e eu falando um monte de asneira pra ele. Teve até um dia que eu fui aplicar reiki na nuca dele e saí com uma puta dor na barriga (que tava na altura do aparelho).

          Após várias sessões sem sair do lugar  decidi voltar ao objetivo principal. Quando falei com ele que ia parar de encher o saco por causa do aparelho e ia voltar a olhar a gastrite ele me disse. Um ser chegou pra mim durante a meditação essa semana e me disse que vc faria isso. Ai, eu pensei, que bom… Realizamos uma técnica kahuna de ”cirurgia energetica”. Foi tirado um puta emplastro do chackra umbilical dele. Ai as coisas ficaram mais claras. O grupo que ele tava e tal, quando ele saiu, ninguém sai de graça, mandaram aquela carga ali. Nas outras duas sessões repetimos a técnica e no final trabalhamos pra reestruturar o chackra. Resultado, nas últimas sessões o homem havia até esquecido de tomar seus remédios pra dor.

         E o aparelho… Com o tempo foi devidamente ajustado. Os guias durantes as primeiras sessões chegaram a cruzar as espadas na frente nossa pra proteger do pulso eletromagnético. Mas no fim ficou tudo bem. 

2 Comentários.

  1. Olá,

    Muito interessantes estes relatos.

    Sou reikiano há mais de um ano já. Acontecem muitas coisas durante a minha aplicação, mas ainda não estou no ponto de perceber e interagir com isto.

    Fica mais no aspecto de percepção mesmo, coisas como acompanhamentos, energias, aparelhos.

    Gostei do Blog, espero que tenha uma vida longa e próspera. :)

    E que continuem a oferecer estas informações tão interessantes e preciosas.

    T+

  2. Obrigado. Acho interessante também por isso eu coloquei essa sessão. Gosto muito quando a clarividente descreve a aplicação, é algo muito rico e especial onde muita gente trabalha e é trabalhada. Logo não é tanta a questão de interagir mas de concentrar no amor e deixar que o resto ali se resolve.